domingo, 24 de outubro de 2010


Pertiguero da Catedral de Ávila, Espanha, com libré adamascada (ropon), colarinho de canudos à século XVI e vara de prata
Quadro da autoria do pintor granadino José María López Mesquita (décadas de 1930-1940)
Em Espanha, os mordomos ou juízes das confrarias e irmandades que regiam o cerimonial e vigiavam o arranjo das ruas onde passavam as procissões e mantinham a ordem durante o giro dos andores eram conhecidos por pertigueros. Envergavam uma libré renascentista (ropon), em veludo vermelho ou em seda adamascada com galões dourados. Traziam a cabeça coberta com mitra, costume que ainda se mantém nos foliões do Divino Espírito Santo da Ilha de São Miguel, Açores, ou com sombreiro redondo forrado de tecido. Em Portugal, no período da Guerra Peninsular, a mitra e o sombreiro foram substituídos pelo bicórnio de cartão forrado de tecido, costume que se usou nas charangas da Procissão do Corpus Christi e na Sé de Braga.
Como símbolo da sua autoridade e prestígio, os pertigueros, mordomos e juizes traziam alçada na mão direita uma alta vara de prata ou em madeira pintada. Na Andaluzia, as confrarias e irmandades rivalizavam na ostentação de varas de prata preenchidas com ornatos barrocos, tradição artística que ainda hoje se pode observar. Este tipo de librés ou roupões também foi usado em Itália e na Ilha de Malta, mas foi na Pensínsula Ibérica que adquiriu grande esplendor nos actos públicos solenes. O seu uso foi extensivo aos oficiais das universidades, casas reais e catedrais. Os novos uniformes postos na ordem do dia pela corte imperial de Napoleão Bonaparte, em especial as casacas de abas de grilo e os bicórnios de crista de galo, fizeram parecer antiquadas as antigas librés, substituindo-as no curso de oitocentos. Em Portugal é duvidoso que se consigam assinalar exemplares dignos de estudo. Apenas conheço dois, o do maceiro da Sé de Braga e o da Confraria da Rainha Santa Isabel (Coimbra). Da mesma família, a libré dos charameleiros da Universidade de Coimbra caíu no esquecimento.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial