sábado, 19 de novembro de 2011

Alegoria da Instrução, escultura de vulto de Alberto Nunes remetida em 1884 ao Hospício Português de Caridade do Rio de Janeiro. O liberalismo português de oitocentos nunca chegou verdadeiramente a conferir dignidade a um ministério de instrução pública. A rede pública, em processo de crescimento, foi garantida pelo Ministério do Reino (Administração Interna). O investigador António Nóvoa designou o século XIX como "o tempo dos professores", posição de prestígio que viria a perder dignidade com a massificação do ensino.
Fonte: O Occidente n.º 187, de 1.3.1884

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial