sábado, 10 de dezembro de 2011

Lisboa, 22.1.1888: cerimónia de assentamento da primeira pedra ao monumento a Fontes Pereira de Melo na avenida da Liberdade. Repare-se na utilização de mesa da presidência com os membros da comissão promotora.
As cerimónias de rasgamento dos alicerces e de assentamento das pedras fundacionais utilizam-se pelo menos desde os aldeamentos do neolítico e das primeiras civilizações. Tinham uma função mágico-religiosa de acção de graças e apaziguamento dos deuses tutelares, de afirmação dos elos de ligação entre a terra e o céu ou de transferência de habitáculo sagrado. Múltiplas manifestações religiosas, militares e civis podiam ocorrer junto do local: demarcação do espaço (valas dos caboucos, estacas, paliçadas), gravação de inscrição no bloco fundacional, benção ritual da pedra, enterramento de moedas e tesouros destinados a imunizar a nova construção, proferimento de palavras rituais ou leitura de documento (termo, auto) perante testemunhas. Na tradição ocidental, independentemente da natureza do edifício/monumento (religiosa, militar, escolar, hospitalar, outra), prevalece o costume de fazer enterrar conjuntamente com a pedra fundacional moedas de ouro, prata e cobre que fazem fé sobre as três idades do mundo e previnem contra a degradação da matéria.
Fonte: O Occidente n.º 328, de 1.2.1888

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial