domingo, 24 de junho de 2012

Lisboa, 1929: cortejo fúnebre do patriarca de Lisboa D. António Mendes Belo. Saída da Sé de Lisboa
Na segunda fila a contar da frente, cerimoniários transportam as insígnias cardinalícias: à esquerda, o barrete; ao centro o galero com as borlas deitadas sobre a copa. O galero era um chapéu de ostentação, em feltro ou forrado de seda, que se usava no rito de investidura, nas cavalgadas solenes, nas entradas régias e nas cerimónias fúnebres. Após a morte dos cardeais romanos era costume suspender o galero sobre o respetivo túmulo, tradição que não aparece iconograficamente documentada no caso português. As borlas eram amovíveis, fixando-se cado jogo à base da copa e deixando-o cair pelo peito. O último patriarca de Lisboa que recebeu o galero foi D. Manuel Gonçalves Cerejeira. Na fotografia que conhecemos, o galero é exibido em proximidade por um cerimoniário, e o modelo forrado de seda é exatamente idêntico ao que foi entregue em 1929 a Eugénio Pacelli, futuro Pio XII. Esta cobertura de cabeça viria a ser abandonada após o Vaticano II, em 1969, embora haja alguns cardeais mais conservadores que ainda encomendam o seu galero, chapéu que nos dicionários e na internet anda [mal] confundido com o capello romano ou saturno, um chapelinho francês de meados do século XIX que veio substituir o chapéu eclesiástico comum ou tricórnio.
De acordo com a rubrica do grande cerimonial monárquico, católico, universitário e militar, os chapéus-insígnias são transportados nos cortejos fúnebres: a) aos pés do corpo deitado em esquife (sécs. XV a XVII); b) sobre o ataúde, quando fechado (ex: cerimonial monárquico britânico, cerimonial militar, cerimonial judiciário italiano); d) por um dignitário que segue atrás do ataúde (cerimonial da Universidade de Coimbra, cerimonial católico romano).
Fonte: Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa, PT/AMLSB/EFC/000097

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial