quarta-feira, 13 de junho de 2012

Luto pesado à francesa

Indumentária de corte, à francesa, para contextos de luto pesado
Moda difundida em finais do século XVII (décadas de 1870-1880), no reinado de Luís XIV e rapidamente imitada noutras cortes europeias como a portuguesa. Conjunto civil masculino preto, composto por sapatos de couro, meias altas de seda, calções, vestia comprida, sobrecasaca degolada. Plastron branco, conhecido em Portugal por "bacalhau". Peruca de madeixas longas. Chapéu de feltro e fumo tombado pelas costas.
A etiqueta francesa normalizou dois trajes para contextos oficiais de nojo: a) luto cerrado, com grande mantéu preto, chapeirão de abas desabadas e fumo comprido; luto aliviado, com meia capa e chapéu de aba mais curta.
Foi esta moda adotada na corte portuguesa na época de D. João V, substituindo-se nas cerimónias públicas as antigas capas e capotes de cauda, os capuzes de deitar pela cabeça e as gorras de pano com as costuras viradas do avesso. Estas velhas capas e capotes apenas persistiram nas comunidades populares. Na indumentária feminina portuguesa, nobiliárquica e popular, chegariam ao século XX algumas velhas vestes de luto pesado como as mantilhas, os bicos, os rebuços e os capelos. Nas catedrais de influência cultural portuguesa e espanhola, incluindo as da América Latina e da India (Goa), os cónegos continuaram a usar nas cerimónias penitenciais os antigos capelos de dó e as capas de arrastão. Esta é que é, a bem da verdade, a rubrica do "nojo çarrado" à moda de Portugal e de Castela que se usava entre os séculos XV-XVII.
O traje supra foi oficialmente usado pela última vez em Portugal pelos vereadores municipais em 1861 na cerimónia da quebra dos escudos por morte de D. Pedro V.

FUMO: tira de pano, própria para situações de luto, que se atava em torno dos chapéus, varas de vereador, maças de bedel e bastões de porteiros. As pontas do fumo caíam longamente pelas costas. Em determinadas confrarias, irmandades e municípios, as varas, maças e bastões eram fechadas num estojo de pano, sendo este amarrado com o fumo.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial