terça-feira, 2 de outubro de 2012

Arriaga 7: reportagem sobre a cerimónia de investidura do primeiro presidente eleito da República Portuguesa.

Quem: Manuel de Arriaga
Onde: Lisboa, edifício do Parlamento
Quando: 24.08.1911
Programa:
-terminada a eleição e apurados os votos, o Presidente da Constituinte, Anselmo Braamcamp, dirige-se aos Passos Perdidos e convida o eleito a apresentar-se na câmara [nota: fórmula tradicional de investidura europeia comum às mais diversas instituições. O novo titular nomeado/eleito aguarda no exterior do recinto o convite para entrar. Nalguns sistemas cerimonialísticos existiam falas rituais para solicitar a entrada no recinto. Em termos antropológicos a entrada simboliza o regresso ao ventre materno e o coito hierogâmico com a matria];
-ladeado pelo Presidente da Constituinte, o PRP eleito sobe à tribuna, lê em voz alta o compromisso de fidelidade ao regime republicano e à Constituição e profere um discurso [nota: fórmula comum a diversos regimes republicanos, EUA, França, etc. A aceitação implica a verbalização pública de uma vontade perante a comunidade que serve de testemunha no ato. No sistema monárquico-constitucional português o compromisso do rei também era feito em voz alta ante o presidente da Câmara dos Pares. Não se consegue ver se Arriaga apenas leu o juramento ou se leu e colocou a mão direita aberta sobre a Constituição. Na tradição monárquica os reis colocavam a mão sobre a bíblia. Nos EUA os presidentes colocam a mão esquerda sobre a bíblia e levantam a mão direita enquanto juram. A fotografia não confirma a entrega de quaisquer insígnias identificativas do cargo, como sejam grande colar, banda, pequeno grande pormenor que marca a diferença da posse dos PRP portugueses face aos franceses, italianos e dos países da América Latina);
-assinado o termo de posse, o anfitrião e o PRP dirigem-se à varanda do Parlamento onde saúdam a multidão [nota: trata-se de uma adaptação muito simplificada do cerimonial monárquico da aclamação. Em todo o caso e ao contrário do levantamento dos reis, o primeiro PRP apenas foi aclamado no Parlamento e não nos edifícios das câmaras municipais do resto do país];
-no decurso da saudação são lançados morteiros, dão-se salvas de mar e terra e é tocado o hino A Portuguesa [nota: adaptação simplificada e atualizada do cerimonial monárquico];
-forma-se o cortejo presidencial, em viaturas motorizadas, de São Bento para o palácio de Belém, escoltado por forças militares [nota: adaptação simplificada do cerimonial monárquico];
-na sala Luís XV do palácio de Belém, o PRP recebe os cumprimentos dos membros do governo provisório, dos novos membros do governo, dos deputados e senadores e demais convidados [nota: ver restantes comments. Em todas as fotografias forte presença de indumentária civil burguesa, à base de sobrecasaca e cartola e em casos pontuais tenue de ville.].
Fonte: Ilustração Portuguesa n.º 289, de 4.09.1911

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial